Gerenciando a contabilidade e o compliance tributário em mercados estrangeiros

A expansão global está em alta na agenda de muitas empresas norte-americanas, mas com as novas oportunidades surgem também desafios tributários e contábeis.

Diante de um mercado interno cada vez mais competitivo, muitas empresas norte-americanas estão em busca da expansão internacional – geralmente como uma forma de explorar os mercados em rápido crescimento nas economias emergentes.

Nossa pesquisa mostra que 81,8% dos Diretores Financeiros (Chief Financial Officers - CFOs) consideram as oportunidades para conquistarem maior fatia de mercado como os principais impulsionadores da expansão internacional. Praticamente um em cada dois (48,5%) enxerga a expansão no exterior como uma solução para aumentar a competição no mercado doméstico; e 42,4% dos CFOs ainda veem a expansão global como uma forma de diminuir custos, escolhendo países que ofereçam menores custos de produção.

A expansão traz desafios significativos

Independente de quais forem os impulsionadores, as empresas norte-americanas que se voltam para os mercados estrangeiros enfrentam diversos desafios contábeis e tributários. E alguns dos mercados internacionais mais atraentes também podem estar dentre os mais problemáticos em termos de compliance.

O Índice Global de Complexidade 2015 classificou 95 jurisdições de acordo com a sua complexidade, de uma perspectiva regulatória e de compliance para se fazer negócios; a Argentina ficou em primeiro lugar, seguida pela Indonésia, Colômbia e Emirados Árabes. A China, geralmente vista como um dos mercados mais interessantes do mundo para expansão e crescimento, é o quinto país mais complexo quando se trata de burocracia.

Burocracia tributária e padrões incompatíveis de contabilidade

Os CFOs dos EUA estão conscientes dos desafios que a expansão global pode trazer. Nosso relatório, Corporate Overseas Expansion: opportunities and barriers (Expansão dos negócios no exterior: oportunidades e barreiras), identificou os principais problemas de compliance contábil e tributário que os negócios norte-americanos encaram nos mercados internacionais.

A preocupação mais urgente é a burocracia excessiva no sistema tributário local. Ela é seguida pelos problemas para conciliar as regras de informação financeira locais com os sistemas e padrões de informação globais. Completando as três principais preocupações, estão as regras de transferência de preços.


5 principais preocupações dos negócios norte-americanos relativas à gestão da contabilidade e compliance tributário nos mercados estrangeiros

  1. Burocracia excessiva no sistema tributário local
  2. Compatibilidade das regras locais de informações financeiras com os sistemas e padrões de informação internacionais
  3. Regras de transferência de preços
  4. Quantidade dos impostos sobre a folha de pagamento
  5. Quantidade das contribuições para o seguro social.

Fonte: ‘Corporate overseas expansion: opportunities and barriers’ (Dez 2015) – Economist Intelligence Unit (EIU – Unidade de Inteligência Econômica) patrocinada pelo TMF Group.

 

 

Nuances locais podem impactar na estratégia de negócios

Apesar dos potenciais benefícios de adentrar novos territórios, adaptar-se ao ambiente regulatório, tributário e de compliance locais pode ser um processo demorado e caro.

Como exemplo da complexidade encontrada em outros países, especialmente nos mercados emergentes, o sistema tributário da Tanzânia é regido por mais de dez diferentes Atos do Parlamento. Na China, as contas geralmente são classificadas por sua função, em oposição ao padrão internacional que as classifica pela sua natureza. Na Tailândia, as empresas precisam ter um livro contábil e seguir procedimentos contábeis especificados no Código Civil e Comercial, no Código de Rendimentos e na Lei de Contas.

Este nível de complexidade significa que uma vez estabelecidas no exterior, as empresas norte-americanas podem continuar a enfrentar novos desafios conforme tentam gerenciar as muitas variações locais que influenciam a estratégia de negócios. Sem uma análise cuidadosa das práticas e hábitos locais, as empresas norte-americanas correm o risco de sofrer danos comerciais e em sua reputação.

Uma em cada duas empresas utiliza suporte especializado

Isso não quer dizer que os desafios contábeis e tributários associados à expansão internacional não possam ser superados. Há diversas abordagens para gerenciar os obstáculos associados com a ida para mercados externos.

Os CFOs dos EUA são especialmente propensos a procurar suporte jurídico e/ou de compliance dos governos e organizações comerciais locais, como as câmaras de comércio. Pouco menos da metade de todos os CFOs optam por tratar alguns dos elementos da expansão internacional internamente. Cerca de 51,5% deles reconhece a necessidade de coordenar as questões contábeis e tributárias tanto da perspectiva central como da local, e, para isso, usam serviços especializados externos para complementar seus recursos internos.

O sucesso pode depender de especialistas locais

A parceria com especialistas respeitáveis pode fazer sentido financeiramente. Confiar somente nas equipes contábeis e financeiras internas para gerenciar a expansão pode aumentar a margem de erros e fazer com que as equipes  fiquem sobrecarregadas . Este é um risco particularmente importante para pequenas e médias empresas, que podem ter poucos recursos internos para começar.

Navegar sobre os desafios de fazer negócios internacionalmente pode ser mais fácil e é potencialmente mais rentável quando as empresas norte-americanas firmam parceria com especialistas respeitáveis que trazem o conhecimento e experiência técnica local.

Esta valiosa experiência pode agilizar a expansão, diminuir a pressão nas equipes internas e reduzir significativamente a possibilidade de erros nas jurisdições que operam de forma muito diferente dos Estados Unidos.