Ir para o conteúdo
Publicado
19 agosto 2022
Tempo de leitura
3 minutos

Brasil é novamente o país mais complexo no último Índice Global de Complexidade Corporativa da TMF Group

A TMF Group, uma provedora líder de serviços administrativos e de compliance lançou recentemente a nona edição de seu Índice Global de Complexidade Corporativa 2022 (GBCI).

Como no ano passado, o Brasil foi classificado como a jurisdição mais complexa para empresas interessadas em investir no país. Entre as principais razões para isto, está o fato de que um grande número de mudanças regulatórias acontecem todos os anos. Os impostos também são segmentados, com regimes municipais, estaduais e federais a serem considerados. Estes também variam de acordo com a indústria na qual uma empresa opera, fazendo com que seja muito difícil se manter à frente de todas as obrigações em um ambiente corporativo em constante mudança. Em anos recentes, houve um maior foco na transparência por autoridades governamentais, invariavelmente requerendo mais relatórios e aumentando ainda mais a complexidade.

As mudanças recentes de curto prazo em resposta à pandemia também contribuíram para a classificação do Brasil, bem como o processo de desfazer essas mudanças para voltar ao status pré-pandemia. Alguns incentivos do governo tiveram como objetivo reduzir impostos para manter as empresas abertas, mas eles vieram com uma carga administrativa aumentada. Ao mesmo tempo, a Covid-19 acelerou os já altos níveis de digitalização no país. Muitos processos, como aqueles realizados em cartório, que costumavam ser possíveis somente pessoalmente, foram substituídos por soluções digitais.

O ciclo de vida de empresas continua, no entanto, entre os mais complicados de gerenciar no mundo. Pode levar até 45 dias para abrir uma empresa na jurisdição, e mais de nove meses para dissolvê-la. Empresas multinacionais devem criar um CNPJ junto ao governo federal, selecionar seu regime fiscal e pagar tributos tanto no nível estadual quanto no municipal, que variam dependendo da cidade onde se opera. Corporações também devem ter um residente local como representante, o que aumenta a complexidade para investidores internacionais. 

Apesar destes fatores, o Brasil ainda é um país caracterizado pelo grande potencial de investimento: com uma população de mais de 213 milhões e uma abundância de recursos naturais, o país oferece muitas oportunidades para investimentos, especialmente nos setores de energia, infraestrutura e serviços. O suporte especializado local pode ajudar a guiar empresas pelo labirinto de regulações e entregar retornos de alto potencial.

O Brasil ainda é um mercado de ponta em segmentos-chave e um ótimo lugar para investimentos em geral – empresas de todo o mundo têm consciência disso. Os desafios que aparecem ao operar aqui podem ser desencorajadores a princípio, mas com tudo que o país tem para oferecer, este estado mental muda rapidamente para aqueles que estejam buscando boas oportunidades de investimento. Ativos sob administração no Brasil estão em uma alta histórica e vemos movimentos na direção de uma abordagem mais globalizada quando se trata da gestão de entidades.

Rodrigo Zambon Diretor Geral | TMF Brasil

A pandemia de Covid-19 trouxe um nível mais alto de complexidade devido à implementação de projetos para ajudar negócios a lidar com a situação e, posteriormente, com sua remoção. Mas quando você pensa em uma das maiores populações do mundo, e em todas as oportunidades de investimento, muitos tendem a buscar ajuda local e aproveitar o potencial da jurisdição.

Michael Seligman Head das Américas | TMF Group

Contatos de mídia:

TMF Group:
Giampaolo Arghittu, Senior Global External Communications Manager,
giampaolo.arghittu@tmf-group.com 
T: +39 334 947 95 84