Ir para o conteúdo
Global Solutions Director, Accounting & Tax
Publicado
03 junho 2020
Tempo de leitura
2 minutos

Três grandes riscos durante expansões internacionais

À medida em que empresas que estão se expandindo para novos territórios se apressam para otimizar operações, Emine Constantin explica porque uma estratégia bem pensada e um ritmo constante são a chave para o sucesso.

Tornar-se operacional a partir do zero em 20 países em apenas dois meses é um grande desafio.

Muitas vezes executivos subestimam as complexidades de expansões internacionais, encontrando obstáculos enquanto tentam se apressar para atingir consistência e padronização desde o primeiro dia. Negligenciar uma área de compliance que seja pode levar a consequências devastadoras, incluindo multas, suspensões e até mesmo banimentos de longo prazo.

À medida em que o mundo começa a emergir da crise da COVID-19, e empresas reiniciam suas estratégias de expansão, levar estes fatores e consideração é cada vez mais importante. Ser detalhista desde o início e ter uma abordagem comedida – separando de seis meses a um ano para ajustar tudo – certamente valerá o esforço.

Erros comuns

Antes da pandemia, a TMF Group foi chamada para ajudar com um carve-out de uma grande empresa farmacêutica, o qual estava quase concluído. A nova entidade já tinha desenhado seus processos operacionais e estava comprometida com um software específico de contabilidade, buscando estar completamente pronta para iniciar as operações dentro de oito semanas.

A empresa estava espalhada na América Latina, Europa e Ásia. Foi a expertise na língua local que os trouxe até a TMF Group, já que eles pensavam que o software cuidaria das outras coisas mais complicadas. No entanto, quando começamos a trabalhar nos diferentes pré-requisitos de compliance dos países, ficou claro que o software escolhido não estava equipado para lidar com as complexidades.

O cliente teve que revisar radicalmente o objetivo de iniciar as operações em dois mees e priorizar enfrentar, avaliar e quantificar os riscos de não-compliance e possíveis custos.

A pesquisa da TMF Group mostra que 83% das jurisdições impõem multas significativas pelo não compliance; cerca de um terço delas pode forçar suspensões de longo prazo de atividades comerciais ou suspensões de licenças; e um quarto delas pode até mesmo banir negócios futuros. Os danos à reputação resultantes podem também ter um efeito adverso prolongado sobre os lucros.

A lição é: não se apresse para fazer negócio sem um due dilligence suficiente.

Três chaves para o sucesso

Para mim, há três considerações-chave: registros fiscais, compliance local e prazos.

Entender os requerimentos fiscais é imprescindível, mas, surpreendentemente, isto é frequentemente negligenciado ou considerado inadequadamente. Em muitas jurisdições o registro fiscal é gerido como um processo separado e deve vir após a abertura completa da empresa. Em outras, o IVA e outros tipos de registros de impostos devem coincidir com a abertura da empresa.

Compliance local

Em sua pressa para iniciar as operações, algumas empresas pensam que os processos padrão de seu país de origem podem ser replicados em todo o mundo, mas este quase nunca é o caso.

Entender o que precisa ser feito para atender a requerimentos locais e o tempo que isto deve levar influenciará muitas decisões: desde a escolha do software de contabilidade até a provisão de quaisquer informações adicionais que as autoridades queiram.

Planejamento é tudo

Prazos oficiais para o registro e envio de documentos de restituições de impostos são geralmente rígidos. Em mais de 60% das jurisdições, os prazos para auditorias fiscais e declarações não podem ser adiados. Estas agendas restritas destacam a necessidade de uma presença local e um profundo conhecimento de requerimento oficiais.

Ainda que a digitalização esteja transformando relatórios em muitos países, tornando os processos mais fáceis, mais eficientes e mais transparentes, o compliance pode exigir muito esforço, especialmente já que os processos são frequentemente atualizados.

Obstáculos no caminho

  • Registros Fiscais

Não fazer isso direito pode resultar em multas significativas em 85% das jurisdições e suspensões de atividades de longo prazo em 40% delas. Em quase metade dos países, diretores de empresas podem enfrentar sentenças de prisão.

  • Compliance local

Em 70% das jurisdições, autoridades locais determinam o formato dos relatórios de contabilidade, que podem mudar com pouco aviso prévio. Uma presença e conhecimento locais, além de fluência na língua local são essenciais para entender os formatos locais de relatórios.

  • Prazos

Em mais de 60% das jurisdições nem auditorias fiscais nem declarações podem ser adiadas.

Quer saber mais sobre nossos serviços e como podemos ajudar sua empresa? Entre em contato conosco.

Fusões e aquisições
Carve-outs transnacionais 2020: Por que um terço falha Carve-outs transnacionais 2020: Por que um terço falha e como fazê-los direitocomo fazê-los direito

Carve-outs vêm se tornando cada vez mais populares entre negociadores globais – triplicando em volume desde 2016. E, após a COVID-19, este ímpeto deve continuar com uma mistura de uma demanda reprimida, ativos não centrais e com problemas, além de menores valores, que devem atrair corporações e fundos de private equity (PE) de volta à mesa de negócios.

Explorar tópico
Formação e administração de empresas
Estruturação e operacionalização de TSAs para o sucesso do carve-out

Cada Acordo de Transição de Serviços (Transition Services Agreement – TSA) é específico para o acordo de carve-out, e alinhar as expectativas tanto com comprador como do vendedor é fundamental.

Explorar tópico